Conheça a História da Igreja

Ouça nossa Rádio

Bíblia online

biografias

dicas de leitura
Selecionamos alguns livros para aumentar seu conhecimento.

  • Banner
  • Banner

enquete
Você já leu a Bíblia inteira quantas vezes?
Escolha uma opção abaixo
Resultados Outras enquetes




Publicações Imprimir conteúdoIndicar página para alguém

Gálatas: obras da carne V

PREGAÇÃO NO CULTO DE EXPOSIÇÃO BÍBLICA REALIZADOS ÀS QUARTAS-FEIRAS*

Referência: Gálatas 5.21

INTRODUÇÃO: Com a graça de Deus vamos expor mais três obras da carne, ERITHEIA = discórdias, DICHOSTASIA= dissensões e Haeresis = partidos.

Elas estão conectados, desde a nascedouro, até a consumação pratica desse pecado, as discórdias, nasce no nível dos argumentos e sentimentos, que se torna dissensões, criando grupinho e panelinhas dentro da igreja e depois chega ao ápice, dividindo o povo de Deus definitivamente.

Paulo está lidando exatamente com este tipo de problemas na igreja de Galatas.

Os maus obreiros que se opunham ao ensinamento de Paulo, embora estivessem ARGUMENTANDO BIBLICAMENTE seus ensinamentos, no fundo estavam agindo por ambição e discórdias fruto das obras da carne.

Paulo diz que aqueles que praticam estas coisas não herdarão o reino de Deus, embora sejam pessoas aparentemente boas e espirituais, mas a verdadeira motivação e pecaminosa. Vejamos.

1. ERITHEIA - discórdias.                             

Facções; ARC: pelejas; ARA: discórdias; BJ: discussões; rixas; rivalidade; BLH: separam-se em partidos; BV: esforço constante para conseguir o melhor para si próprio.

Outras traduções de ocorrências da palavra — ARC: contenção; ARA: discórdia;  espírito de partidarismo; BV: fazer inveja (Fp 1.17). BV: desavenças (2 Co 12.20); ser egoísta (Fp 2.3).

As numerosas e variadas traduções desta palavra demonstram a incerteza do seu significado. No entanto, fica bastante claro o que ela quer dizer de modo geral.

Eritheia:discórdias; descreve uma atitude errada na realização de um serviço e na detenção de um cargo. No grego secular a palavra, com seu verbo correspondente, tinha dois sentidos.

a) Erithos é trabalhador diarista: eritheuesthai, o verbo, é trabalhar por contrato, e eritheia é o trabalho contratado. A palavra pode ser usada nesse contexto, sem o menor mau sentido.

Noss escritos da septuaginta o termo é usado para se referir ao ganho que alguém tinha com seu trabalho honesto (Tob. 2.11). Todas estas palavras simplesmente têm conexão com o trabalho em troca de pagamento.

Mas, a distância entre trabalhar por pagamento e trabalhar SOMENTE POR PAGAMENTO, ou trabalhar por qualquer outro motivo além do que uma pessoa possa ganhar, não é muito grande.

A palavra, portanto, pode descrever a ATITUDE do homem que não tem consideração pela prestação do serviço, nenhum orgulho no que faz, nenhuma alegria no trabalho.

A profissão é escolhida, pelos motivos mais egoístas e mesquinhos, sem olhar a aptidão ou como podemos glorificar a Deus através do nosso trabalho.

A única motivação desta pessoa é se ocupar em qualquer trabalho visando somente o que pode ganhar com ele. (médico x professor).

b) Trabalho por ambição pessoal. Em Aristóteles, eritheuesthai, o verbo, adquire outro significado. Talvez, aqui também, o significado não seja totalmente claro, mas neste caso a atmosfera geral também fica clara.

A palavra significa angariar votos para um cargo politico mediante a COMPRA dos partidos (ex. eleição da câmera, senado).

E Aristóteles alista esta atividade como uma das práticas que finalmente levam às revoluções. Essa palavra já foi usada e traduzida por "INTRIGAS ELEITORAIS".

Por trás disto há algo da mesma ideia que se liga ao primeiro significado da palavra. A ação política descrita acha-se na atividade de um homem cujo único motivo é a AMBIÇÃO partidária ou pessoal.

É alguém que não concorre a um cargo com o desejo nobre de servir ao Estado, à comunidade, e ao seu próximo.

Mas que apenas procura SATISFAZER sua AMBIÇÃO pessoal, seu desejo pessoal pelo PODER, ou a exaltação de uma IDEOLOGIA, ou de um partido em concorrência com outros, e não pelo bem geral.

A palavra descreve a atitude do homem que está num emprego público visando as vantagens que pode USUFRUIR, mas, desta vez, o motivo não é tanto o lucro material ou financeiro quanto o PRESTÍGIO e PODER pessoais.

Alguns traduzem a palavra Eritheia, substituindo-a pela frase: “DEDICAÇÃO EGOÍSTA AOS SEUS PRÓPRIOS INTERESSES”.

c) O uso de eritheia em Paulo: Paulo usa a palavra Eritheia-contenda; quatro vezes.

Em Rm 2.7,8 “A vida eterna aos que, com perseverança em fazer bem, procuram glória, honra e incorrupção; mas a indignação e a ira aos que são CONTENCIOSOS, desobedientes à verdade e obedientes à iniquidade”.

Paulo fala daqueles que são eritheias, aqueles que são dominados pela eritheia (discórdia, contenda) e que desobedecem à verdade, e obedecem à iniquidade.

E contrasta-os com aqueles que, perseverando em fazer o bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade, e fica bem claro que não se trata de glória e honra humanas.

Em 2 Co 12.20usa “eritheia” no tocante aos pecados que receia achar em Corinto, ligando-a com invejas, iras, porfias, detrações, intrigas, orgulho e tumultos.

Em Fp 1.16usa-a no tocante àqueles em cuja proclamação do evangelho o motivo principal é a concorrência com ele próprio, àqueles cuja pregação visa mais frustrá-lo do que glorificar a Cristo.

Em Fp 2.3conclama os filipenses a fazerem nada com eritheia ou soberba, cada um considerando os outros superiores a si mesmos.

E depois segue-se a grandiosa passagem que diz como Jesus Cristo sendo Deus, ESVAZIOU-SE e tornou-se servo, experimentando a morte de Cruz, para ser nosso exemplo de humildade.

Estes usos são relevantes para fixar o significado que Paulo atribuía à palavra.

Deve ser notado que três das quatro ocorrências aparecem em contextos nos quais o problema principal acha-se nos PARTIDOS, na SOBERBA, e na mútua CONCORRÊNCIA dentro da Igreja.

A igreja em Corinto estava dividida em PARTIDOS concorrentes entre si; na igreja em Filipos a PREGAÇÃO se tornara em um meio de diminuir a Paulo ao invés de proclamar a Cristo.

Em Paulo, a palavra denota claramente o espírito de AMBIÇÃO E RIVALIDADE PESSOAIS que tem como resultado um partidarismo que considera as questões partidárias acima da própria Igreja.

d) ERITHEIA na igreja hodierna. Semelhante motivação já seria bastante ruim no mundo, mas é uma tragédia quando invade a Igreja. Mas é exatamente isso o que acontece.

Há aqueles cuja obra na Igreja visa exaltar sua própria PROEMINÊNCIA e importância, e que ficam AMARGAMENTE DECEPCIONADOS E FRUSTRADOS quando não recebem a posição e as honrarias que acreditam ter merecido.

Há aqueles, por mais cruel que pareça ser esta declaração, que trabalham em cargos, comissões e juntas, ministérios; porque estes SÃO O ÚNICO LUGAR NO MUNDO ONDE PODEM PARECER SER ALGUÉM.

 O serviço deles, que parecem ser voluntário, abnegado, piedoso; é simplesmente um meio de AUTOGRATIFICAÇÃO e um desejo pelo poder.

Além disso, há aqueles membros na Igreja, o pior tipo deles, que realmente planejam e fazem intrigas para apoiarem um “conceito”, “uma doutrina”, ou uma linha teológica; e é bem possível que estejam mais interessados em obter o triunfo da sua política-ideológica do que o bem-estar geral da Igreja.

Tenho ouvido falar de debates prolongados nas reuniões de Igreja onde a preocupação não visa tanto a MISSÃO da Igreja quanto o TRIUNFO de algum partido, teologia-conceito, ou até mesmo o interesse PESSOAL dentro da Igreja.

Há uma só resposta para tudo isto. Enquanto Cristo ficar no centro da vida do indivíduo e da Igreja, eritheia, a AMBIÇÃO PESSOAL e a RIVALIDADE PARTIDÁRIA, não poderá sequer começar a aparecer.

Mas quando Cristo for removido do centro e as ambições e políticas de qualquer homem se tornarem o centro, certa e inevitavelmente eritheia, a contenda, a competição pessoal, invadirá a Igreja e perturbará a paz dos irmãos.

2. DICHOSTASIA – dissensões, divisão.

ARC, ARA: dissensões; BJ, discórdia(s); desavenças; facções; espírito partidário. Outras traduções da outra ocorrência da palavra de Rm 16.17: BV: os que causam divisões.

Dichostasia não é uma palavra comum, quer no grego bíblico, quer no secular. Fora do presente trecho, só ocorre outra vez nos escritos de Paulo em Rm 16.17, onde ele adverte os cristãos romanos a evitarem os que criam dissensões e dificuldades.

a) O uso de DICHOSTASIA no mundo antigo.  ocorre somente em 1 Mac. 3.29 onde descreve a dissenção e inquietude nacionais que se seguiram após novas legislações incabíveis que formaram um rompimento violento com o passado.

Heródoto usa-a a respeito da situação que foi criada quando um dos dois comandantes passou para o "outro lado" no meio de uma campanha (Heródoto 5.75). Obviamente, semelhante ação provocaria um estado agudo de DIVISÃO.

Platão cita um ditado de Teógnis que diz que nos dias de dichostasia o “homem fiel vale seu peso em ouro” (Platão: Leis 630 A; Teógnis 5.77, 78).

A palavra denota um estado de coisas em que os homens estão DIVIDIDOS, onde florescem as INIMIZADES tradicionais entre famílias, igrejas e onde a união é destruída.

Dichostasia leva seu retrato no rosto; literalmente, significa "ficar à parte, separado", ou seja: um estado em que já se foi toda a comunhão, toda a comunidade e toda a fraternidade.

É por demais óbvio, que semelhante estado é tragicamente comum entre os homens. Há divisão pessoal em que duas pessoas que eram amigas desde a infância chegam a um ponto de romperem a amizade sincera e nunca mais conversam uma com a outra.

Até mesmo a obra de uma igreja pode ser dificultada por INIMIZADES tradicionais entre os seus membros. Há uma DIVISÃO de classes; na realidade, são ideologias baseadas em nada menos do que a “NECESSIDADE DE LUTA” entre as classes.

Ainda temos a necessidade de aprender a sabedoria prática das palavras de Jesus: "Todo reino dividido contra si mesmo ficará deserto, e toda cidade, ou casa [lar], dividida contra si mesma, não subsistirá" (Mt 12.25).

Unidos, ficaremos em pé, divididos, cairemos;esta é uma verdade que nunca perde sua atualidade.

b) O uso de DICHOSTASIA nos nossos dias. No nosso país o espírito de Dichostasia criou uma divisão entre partidos.

Já se foi aqueles sonhos, onde ninguém estaria a favor de um partido, mas todos estavam a favor do bem-estar geral da nação.  

Uma das visões mais tristes no governo partidário democrático brasileiro é a da política partidária fazendo MANOBRAS para tirar PROVEITO dos perigos e fracassos nacionais, e agindo como se o bem-estar nacional fosse um peão no JOGO DA AMBIÇÃO e da política partidária.

Há a divisão racial. Ainda existem sociedades, igrejas das quais um homem pode ser excluído por causa da cor da sua pele.

Há poucas palavras que são uma maior negação da ética cristã do que a palavra APARTHEID, aprovado pelos próprios cristãos.

(Ex: avivamento entre os ZULUS, um pastor de olhos azuis, fechando a janela, para a comitiva visitante não vissem os negros no quintal de trás da casa)

Há a divisão teológica.O odium theologicum, o ódio teológico, não é uma coisa nova. Não há outro âmbito de pensamento mais disposto a rotular as pessoas do que a teologia, que considera como herege e inimigo o homem que está usando a etiqueta errada.

Quantas guerras teológicas: (a noite se São Bartolomeu, onde aproximadamente 70.000 protestantes HUGUENOTES foram assassinados pelos católicos a mando a família real).

Quantos ANABATISTAS foram mortos afogados por outros protestantes porque batizavam por mergulho e não por aspersão.

Há a divisão eclesiástica. É bem possível que o maior problema que a Igreja enfrenta no tempo presente seja o problema da sua própria falta de união, e é bem possível que a desunião não seja apenas o MAIOR PROBLEMA da Igreja, mas também o MAIOR PECADO da Igreja.

Kagawa, o grande cristão japonês, ficou profundamente aflito com esta desunião. Disse certa vez: "Não falo inglês muito bem, e às vezes, quando digo a palavra deno-minação (denomination), as pessoas pensam que eu disse danação (damnation) — e para mim são a mesma coisa”.

Aqui há um desafio e uma conclamação, não tanto para criticar os outros crentes quanto examinar a nós mesmos.

Nada é mais fácil do que confundir PRECONCEITOS como se fossem PRINCÍPIOS bíblicos, somos acostumados a confundir TEIMOSIA IRRACIONAL com resolução inamovível na defesa da fé.

É perfeitamente verídico que o cristão frequentemente tem de tomar uma posição solitária, em prol da verdade.

Mas faríamos bem em examinar-nos, para descobrirmos se nossas OPINIÕES que sustentamos tão veementemente, não estão nos SEPARANDO da comunhão da comunidade local onde faço parte da membresia.

Talvez tenhamos razão no que defendemos, mas é uma GRAVE RESPONSABILIDADE e um grande pecado; sermos a CAUSA DE DIVISÃO em qualquer igreja ou comunidade.

Antes de nos separarmos dos outros, devemos lembrar-se das palavras solenes que Oliver Cromwell dirigiu aos escoceses intransigentes: "Rogo-vos pelas ternas misericórdias de Cristo: pensai; pois é possível que estejais enganados."

3. HAIRESIS – facções, grupos, seitas.

Partidos, partidarismo; BLH: grupos; ARC: heresias; seitas; ARA: facções; BJ: divisões; NEB: intrigas partidárias.

A palavra em português: heresia é, para todos os fins práticos, uma transliteração da palavra grega hairesis.

Em nossa língua, "heresia" é uma palavra com um significado distintivamente mau; denota uma crença contrária à ortodoxia e à sã doutrina.

Mas em grego hairesis não é necessariamente uma palavra má, porque significa ou um ato de escolher, ou uma escolha.

a) Sentido do termo usado no AT. No AT grego pode ser usada, por exemplo, para a escolha de uma dádiva como oferenda a Deus (Lv 22.18).

E pode ser usada para um propósito ou um plano, um curso escolhido de ação. Na LXX está escrito que Simeão e Levi realizaram seu propósito iníquo (Gn 49.5).

b) Sentido do termo usado no NT.

No NT a palavra denota mais comumente um grupo de pessoas que pertencem a uma “escola específica de pensamento” e ação e que sustentam um “tipo de crença”; como, poderíamos dizer, um “grupo de pessoas que fizeram todas a mesma escolha”.

Assim a palavra é usada no sentido de um partido/seita, como no caso do partido dos fariseus (At 15.5; 26.5); dos saduceus (At 5.17); seita dos nazarenos (At 24.5); e duas vezes se refere aos próprios cristãos, como seita/partidos (24.14; 28.22).

Em tais casos é comumente traduzida por "seita", mas não há nenhuma implicação necessária de que seita é aquilo que agora chamaríamos de uma seita herética; é simplesmente um grupo de pessoas que escolheu o “MESMO MODO DE CRER E DE VIVER”.

c) O mau uso do sentido do termo.  Quando “hairesis” passa a ter um SENTIDO MAU, ela passa então, a significar uma escolha de uma crença NÃO ORTODOXA, (negar os princípios do evangelho)

E agora passa também a ter uma conduta DIVERGENTE, isso separa a pessoa da comunidade da qual faz parte; é então que a palavra vem a significar "heresia" no significado moderno do termo.

Este sentido é bem entendido do uso significativo que Paulo faz de “hairesis” em 1 Co11.19.

Nesta passagem, a CONDUTA É HERÉTICA, pois ela desmerece o amor, a comunhão, a aceitação uns dos outros, e cria uma divisão interna da Igreja em GRUPOS e PARTIDOS, mediante a qual a harmonia do evangelho é destruída.

Ali, Paulo está repreendendo os cristãos de Corinto pela sua má conduta à mesa do Senhor. Na Igreja antiga, duas coisas eram combinadas; havia a Agapé, ou a Festa do Amor, e o próprio sacramento da Ceia do Senhor.

A Festa do Amor era uma parte MUITO BELA DA VIDA da Igreja primitiva. Era uma refeição em comum onde todos os cristãos se reuniam no DIA DO SENHOR.

Para vermos o quadro corretamente, devemos nos lembrar de que naquele tempo a Igreja não tinha edifícios próprios, e que os grupos cristãos se REUNIAM nas salas das casas comuns.

Para esta refeição em comum, cada um trazia o que podia, e isto era repartido entre todos em comunhão amorosa.

Bem provavelmente, em muitos casos, esta seria a única REFEIÇÃO RAZOÁVEL que o escravo comia no decurso da semana.

Em Corinto, ao invés de se sentarem como grupo unido, compartilhando da comunhão, os membros do grupo estavam divididos em GRUPINHOS e PANELINHAS, haireseis (a forma plural da palavra).

E, ao invés de COMPARTILHAREM DE TUDO quanto tinham numa reserva comum, cada partido dentro do grupo maior guardava para si aquilo que trouxera.

E o resultado era que uns tinham pouquíssima coisa, ou nada, ao passo que outros mais ricos e bem relacionados tinham em abundância.

Aquilo que deveria ter sido uma só união harmoniosa com participação e amor, foi dividido em pequenos fragmentos EGOÍSTAS, EXCLUSIVISTAS e AUTOSUFICIENTES. É isto que Paulo chama de hairesis-facções, partidos.

É a unidade da Igreja que se fragmenta em GRUPINHOS que fecham seu círculo para todas as demais pessoas que não são seus chegados.

Uma Igreja fragmentada NÃO É UMA IGREJA DE MODO ALGUM; um grupo cujo círculo está fechado certamente não é um grupo cristão.

Se alguém considera que sua posição social é algo que o SEPARA de outras pessoas de uma posição social diferente, não começou nem a ter o menor vislumbre do significado do evangelho.

Há uma enorme diferença entre CRER que temos RAZÃO e crer que todas as demais pessoas estão erradas.

A CONVICÇÃO INABALÁVEL é uma virtude cristã; mas a INTOLERÂNCIA inexorável e o RADICALISMO EXARCEBADO é pecado.

Há muitos outros irmãos fiéis a Deus e que dão ênfases diferentes do que temos do evangelho nesta igreja, até mesmo nunca ouviram o evangelho, como ouvimos aqui.

Temos para nós aqui uma solene advertência;Ninguém negará que a Igreja deve muita coisa àqueles que tiveram a coragem e a convicção de resistirem sozinhos; pois a verdade realmente divide, pois ela não convive com o pecado.

Mas devemos examinar o nosso coração com cuidado, se não estamos dividindo por motivações, egoístas, por ambição pessoal, pelo desejo de poder, de liderar, ou de simplesmente vencer uma disputa teológica.

A verdadeira causa do surgimento de novas igrejas é sempre o espirito de hairesis. Que se reveste de uma JUSTIFICATIVA, teológica, moral e psicológica para sua autoapreciação e Autojustificação. Essas IGREJAS são constituídas pelo deus EGO.

Devemos sempre ver se a motivação está correta, nossa piedade escolhida não deve nos separar e nem nos dividir, mas sempre promover a união e a aceitação dos outros.

Se temos o direito de escolher por nós mesmos, onde devemos nos reunir, devemos conceber  o mesmo direito aos outros, desde que a MOTIVAÇÃO seja pura e verdadeira.

O amor cristão deve ainda ser capaz de amar aqueles que pensam diferentes de nós, mesmo que não possam concordar com sua teologia.

A MENOS QUE ELA NEGUE PONTOS FUNDAMENTAIS DO EVANGELHO, OU CUJA CONDUTA DESONRA A DEUS.

CONCLUSÃO: O caminho para não praticarmos as obras da carne, é considerando o ensinamento de Paulo aos Filipenses 2:3-8.

Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por HUMILDADE; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas cada qual também para o que é dos outros.

De sorte que haja em vós o mesmo SENTIMENTO que houve também em Cristo Jesus,

Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;

 

E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz.

 

*Essa pregação faz parte da série de sermões expositivos que acontecem no Culto de Expositiva Bíblica às quartas-feiras aqui na Assembleia de Deus Marcas do Evangelho, às 19h30. Ficamos na Rua Álvaro Pedro Miranda, 08, Campo Grande, Cariacica/ES. Perto da Faculdade Pio XII.

De: 18/07/2017
Por: Jairo Carvalho



Deixe seu comentário abaixo
0 comentário

 

Quanto é :

2011 - 2018 Pregação Expositiva
Desenvolvimento: Agência Kairós
Usuários online 3 online Visitantes 198948 Visitas